Você está visitando o Instituto Cultural da Dinamarca no Brasil.  Explore outros lugares no mundo onde também trabalhamos. Created with Sketch.
EN/PT-BR
30 · 08 · 2019

O Festival Ponte Nórdica lança o filme ‘Rainha de Copas’ no Brasil

O filme, vencedor do Prêmio do Público em Sundance deste ano, estreia no dia 12 de setembro nas salas de cinema Espaço Itaú de Cinema pelo Brasil.

O festival de cinema nórdico Ponte Nórdica, desenvolvido em parceria com Diálogos Nórdicos, teve sua primeira edição em 2016, trazendo 16 obras para o público brasileiro. A próxima edição do Festival Ponte Nórdica será em junho de 2020. Este ano, o festival apresenta, com a distribuidora Arteplex Filmes, o lançamento do filme nórdico europeu mais bem recebido de 2019, Rainha de Copas, da diretora May el-Toukhy. O filme estreiou em janeiro, durante o festival de Sundance, e já passou por 8 outros festivais internacionais, dentre eles o Festival de Gotemburgo, principal festival nórdico, tendo colecionado 6 prêmios internacionalmente.

 

Este ano, o Instituto Cultural da Dinamarca fechou uma parceria com a distribuidora Arteplex e o Espaço Itaú de Cinema para viabilizar essa estreia. No dia 6 de setembro haverá a pré-estreia e imprensa, e contará com a presença do ator sueco Gustav Lindh, que interpreta um dos protagonistas do filme. O evento será primariamente para convidados, havendo possibilidade de venda de ingressos. Essa venda será divulgada no site do Espaço Itaú de Cinema.

O filme explora a criação de um segredo de família trágico. Na trama, Anne (a premiadíssima Trine Dyrholm) é uma brilhante e dedicada advogada especializada em crianças e jovens, que vive numa bela casa com o seu marido Peter (Magnus Krepper), e suas filhas gêmeas. A vida, que parece ser a imagem perfeita de uma família começa tomar outro rumo com a chegada do enteado adolescente (Gustav Lindh).

Assista ao trailer legendado aqui.

 

Para a diretora, Rainha de Copas mostra uma mulher poderosa que faz uma série de decisões irreversíveis com consequências inimagináveis para ela e para as pessoas de quem ela gosta. “O filme explora o quão longe nós estamos dispostos a ir, uma vez que as escolhas são feitas, para proteger nós mesmos e manter o status quo na nossa existência”, ressalta May.

Soubemos que esse 2º longa da diretora teria aporte de realização do Danish Film Institute e, meses depois, recebeu o prêmio de desenvolvimento no Festival de Gotemburgo. Desde então, mantemos contato com May, que se tornou uma admiradora do Ponte Nórdica
Tatiana Groff, curadora do festival Ponte Nórdica

ATORES

Magnus Krepper, Trine Dyrholm e Gustav Lindh

Trine Dyrholm

Trine Dyrholm é uma das atrizes mais famosas e bem-sucedidas da Dinamarca
Em 1998, conseguiu um papel de destaque como uma garçonete de hotel, no caótico drama familiar “Festa de Família”, de Thomas Vinterberg, a primeira realização criada sob o famoso movimento Dogma 95. A plateia internacional a conheceu quando interpretou uma amarga esposa e mãe no drama vencedor do Oscar “Em um Mundo Melhor”. Durante sua prolífera carreira, Trine continuou a fascinar a audiência e os críticos de todo o mundo. Sua extensa filmografia inclui o drama familiar de tv “The Legacy”, os longas “ Amor É Tudo o
que Você Precisa”, de Susanne Bier, “O Amante da Rainha”, de Nikolaj Arcel e “ A Comunidade”, de Thomas Vinterberg, também lançado no Brasil pelo Festival Ponte Nórdica, pelo qual a atriz ganhou um Urso de Prata no Festival Internacional de Cinema de Berlim, em 2016.

 

Magnus Krepper
Ao longo de sua carreira, o ator sueco Magnus atuou tanto no palco quanto no cinema e na tv. Em 2005, ele recebeu o Prêmio Guldbagge na categoria Melhor Ator Coadjuvante por seu papel no filme “Mun Mot Mun”, de Bjorn Runge. Magnus é conhecido pelas séries “The Bridge” e “Kommisarie Winter”, pela minissérie “Millennium”, e os filmes “Call Girl”, de Mikael Marcimain, e “A Cura”, de Gore Verbinski e Innan Vi Dor. Atualmente, ele está na peça “Det Sjunde Inseglet”, no Uppsala Stadsteater. Suas produções mais recentes incluem os longas “Tornando-se Astrid”, de Pernille Fischer Christensen, “Before the Frost”, de Michael Noer, e as séries “Froken Frimans Krig” e “Liberty”.

 

Gustav Lindh
O sueco teve atuações reconhecidas em seu país e no exterior, e desde sua aparição, em 2015 no filme “O Círculo”, Lindh não parou mais de atuar. Ele fez aparições memoráveis em séries de tv como “Spring Tide” e “Jordskott”. Durante esse tempo, estudou na Academia de Teatro de Malmô, onde se formou em 2017, e no mesmo ano recebeu o prêmio “ Estreia em Ascensão”, do Stockholm Film Festival.